Prosa Crítica
 
Conteúdo desta seção:
 
A ANTROPOFAGIA DE TARSILA DO AMARAL, RAUL BOPP E OSWALD DE ANDRADE: UMA ESTRATÉGIA BRASILEIRA PARA CULTURA E POESIA NUM MUNDO GLOBALIZADO
A COPISTA DE KAFKA
A FUNÇÃO DA POESIA
A GELÉIA GERAL DO ESTADO NA ÁREA DA CULTURA
A IDÉIA TOTALITÁRIA DE "CANÔNE"
A IMPROVÁVEL POESIA DAS AMÉRICAS
A MPB NO LIMBO
A poesia e a língua portuguesa na era da internet
A QUERELA DO BRASIL
A VANGUARDA QUE SE ENCARNOU NA HISTÓRIA
ALGUMAS TENSÕES NA FIGURA DE HAROLDO DE CAMPOS
AS SIBILAS DE HENRIQUETA LISBOA
BAKHTIN, O CORPO, CREELEY E GIRONDO
BORGES: O POÉTICO E A POESIA
BOTELHO DE OLIVEIRA: UM COADJUVANTE DE GREGÓRIO E VIEIRA
CAETANO VELOSO ATACA DE NOVO
CAETANOGATE
Claude Lévi-Strauss
CLICHÊS SOBRE MICHAEL JACKSON
CONVERSAS COM GAUDÍ
CRISANTEMPO
CULTURA E ESPETÁCULO EM “A MODA E O NOVO HOMEM”, DE FLÁVIO DE CARVALHO
DESPOESIA - AUGUSTO DE CAMPOS, 1994
DILATÁVEIS DESAFIAM A MÍDIA
EM SÃO PAULO - LEMBRANÇAS FRAGMENTÁRIAS DA VISITA DE BOB CREELEY EM 1996
ESPLENDOR & SEPULTURA
ESTADO ACTUAL E CREATIVO DA LINGUA PORTUGUESA EN BRASIL - UNIVERSIDADE LIBRE IBEROAMERICANA EN GALICIA (AULIGA)
FÁBULAS POÉTICAS PARA OS OLHARES DE NUNCA
FAUSTINO OU A RECUSA AOS DISCURSOS DE PERMANÊNCIA
FLÁVIO DE CARVALHO: AMBIÇÃO DE SENTIDOS NOS TRISTES TRÓPICOS
IDENTIDADES EM CONFLITO: 12 POETAS CATALÃES
INVENTÁRIO DE CICATRIZES, DE ALEX POLARI DE ALVERGA
JOAN BROSSA: UM DIÁLOGO COM JOÃO CABRAL
JULGAMENTO DE CEAUSESCU LEMBRA OBRA DE IONESCO
KAIKO: UM POUCO DE LEMINSKI
LEÓN FERRARI VERSUS GREGOR SAMSA
MAIAKÓVSKI NA AMÉRICA
MARIO QUINTANA: O POEMA FAZ-SE
MEU LIVRO PREDILETO
MEU NOVO NOME: GREGOR SAMSA
MEU TIO ROSENO, A CAVALO DE WILSON BUENO
MIRÓ E CABRAL: LINHAS CRUZADAS
MURILO LEVA O ATO CRÍTICO PARA O ESPAÇO DE SUA POESIA
MURILO MENDES E A POESIA BRASILEIRA DE HOJE
NOTA SOBRE DRUMMOND
NOVELAS, DE BECKETT: À ESQUERDA DA MORTE
O ARTISTA CONFESSO
O CAMP NOU OU POR QUE SE CALAM OS ESCRITORES CATALÃES?
O fascínio pelo “literário” no Brasil
O LEGADO DE OCTÁVIO PAZ
O PARNASO-MARXISMO
O PESADELO DO PODER DE CIVILIZAÇÃO: A UTOPIA BRASILEIRA DE MÁRIO FAUSTINO
O POEMA ANTIFUTURISTA DE DRUMMOND
O RETRATO DE FABIUS NASO (BREVE NOTA SOBRE "AT PASSAGES", DE MICHAEL PALMER)
OS CUS DE JUDAS
PIVA: ENTRE O MITO E O MERECIMENTO
POESIA COMPLETA DE RAUL BOPP
Poeta Régis Bonvicino na China
POETAS FRANCESES DA RENASCENÇA
Princess Hijab
QUEDA DO MURO DE BERLIM: MUNDO DO PENSAMENTO ÚNICO
REPTO INCOMUM
REVERSO: EROS, MONTAGEM E INOVAÇÃO EM MÁRIO FAUSTINO
ROBERTO: ENTRE EL MITO Y EL MÉRITO
SALVOS SON OS TRAEDORES
SEXO E GÊNERO EM PARQUE INDUSTRIAL, DE PAGÚ
SOBRE A POESIA ORTÔNIMA DE FERNANDO PESSOA
SOBRE DÉCIO PIGNATARI
SOBRE JACQUES ROUBAUD
SOBRE JÚLIO BRESSANE
SOBRE UNGARETTI
STEIN: VANGUARDA E CIVILIZAÇÃO
TAMANHA ANULAÇÃO DA EXISTÊNCIA
TANTAS MÁSCARAS* (RECONHECIMENTO DE UMA NOVA POESIA BRASILEIRA)
THE DISPLACEMENT OF THE "SCHOLASTIC": NEW BRAZILIAN POETRY OF INVENTION
UM LUGAR PARA A VOZ DO POETA
UM LUGAR PARA JOSÉ PAULO PAES
UMA BRASILEIRA EM HONDURAS, ONDE VIVEU JOÃO CABRAL
VALENTE

« Retornar
 
MEU TIO ROSENO, A CAVALO DE WILSON BUENO
Laríope é o nome de uma das irmãs do personagem Roseno, de Meu Tio Roseno, a cavalo, o mais recente livro de Wilson Bueno. Laríope é variação evidente de Líriope, a ninfa, que, como nos ensina Juanito de Souza Brandão, não escapou da insaciável energia sexual do rio Cesifo. Os dois são pais de Narciso, aquele que se perdeu, quando, exatamente, se encontrou, ao ver-se nas águas da fonte de Téspias.

Líríope, na condição de mãe de Narciso, fornece uma pista para a interpretação deste novo, claro e riquíssimo trabalho de Bueno, autor de obras essenciais como Mar Paraguayo (1992) e Manual de Zoofilia (1997). Liríope/Narciso são, para Meu Tio Roseno, a cavalo, sinônimo de "precariedade" da linguagem, na representação do mundo. Precária, no encontro do mundo — no caso o percurso de Roseno, na década de 40, do Guairá, na confluência com Paraguay, Paraná, Mato Grosso do Sul, até as barrancas do rio Paranapanema, em São Paulo — a linguagem volta-se para si, numa estratégia para — paroxismo — captar referências, que a façam retornar a este mundo, que, em aparência, abandona. É por isso que forja, precisamente, um léxico novo, que inclui, no português coloquial mas sóbrio e fluente da narrativa, vocábulos do guarani e do espanhol da fronteira. O rio (Cesifo), a ninfa (Liríope) e a fonte (Narciso) simbolizam, igualmente, a fertilidade, que é outro traço fundante desta prosa, que, na verdade, é um longo poema também, dialogando, em suas acutilâncias, com a mais viva tradição de inovação da ficção e da poesia brasileira, em contraste com a “soap prose” dos dias de hoje. Meu Tio Roseno, a cavalo não está — como poderia dar a entender pelo título — conectado, diretamente, ao trabalho de Guimarães Rosa, embora ressoe o “Iauaretê”. Dissimulado , como o zaino (cavalo sem malhas brancas, com o qual Roseno cavalga, qual um Quixote), ele traz, em seus subterrâneos, como seu antepassado “tutelar” (mas sem imitações ou releitura primária), para valer-me de expressão de Davi Arrigucci – o Cobra Norato (1931), de Raul Bopp. Bueno inicia com “O dia em que meu tio Roseno montou o zaino Brioso e tocou de volta para Ribeirão do Pinhal, ainda não era o dia em que eu nasci ...” que remete, indiscutivelmente, a “Cobra Norato”: “Um dia / eu hei de morar nas terras do Sem-fim / Vou andando caminhando caminhando ... “. Roseno quer ter uma filha (ou filho), com a bugre Doroí. Norato quer casar-se com a “filha da Rainha Luzia”. Os dois livros têm uma base comum: o expressionismo e, particularmente, o “fauvismo” (ferismo), dos pintores Henri Matisse e André Derain, no exagero do desenho e das perspectivas da fabulação. Leia-se Bueno: “ ... Sabe, entanto, nosso cavaleiro, o que de posse, desejo e ciúme, e toda a Andradazil, perseguem os cascos de seu cavalo, a inteira guerra do Paranavaí, e os enforcados vivos balançando do alto das embaúbas, os olhos roídos de formiga ...”. Este “fauvismo” construtivista de Meu Tio Roseno, a cavalo, que relativiza a idéia de “tema”, pode ser percebido na mudança (igualmente sinal da “insuficiência das palavras”) de nome do personagem principal, Rosevéu, Rosevino, Rosevago, Rosenente, ao longo da estória e conforme as situações que vive, e do próprio cavalo — às vezes chamado de zaino, às vezes de saino. É, por outro lado, a la Matisse e Derain, o registro do movimento — o toque dinâmico, que faz a “estória” fluir, “insana”, não convencional.

O “fracasso” da linguagem (“Narciso” que, ao mesmo tempo que se encontra, que adquire consciência, esvai-se) , denunciado por Bueno, para representar o mundo , traz, neste Meu Tio Roseno, a cavalo, uma dimensão política: narrando coisas do passado recente, enfrenta a questão da terra e do território no Brasil de agora : “... Tinha o risco de uma cicatriz no queixo o Sisséno, nosso inimigo. Ali Deus havia esquecido toda a maldade. Cruento, brigador, Sizeneno deixava, sempre em horror e morticínio, o seu rastro, contratado dos fazendeiros, guardião dos latifúndios, Sinzéno, o Parnanguara. Bisca de ruim, malévolo até o tutano, aquilo sabia ser o bicho...”. Mundo e verbo encontram-se, quando o narrador batiza subitamente o personagem de “Sinzéno”, que ecoa a cor cinza e a própria morte, que produz. “Sisséno”, como no início do trecho, aponta para cisão: de um lado, os fazendeiros, de outro, a cisalha (os invasores da terra alheia). As “cinzas” de Sinzéno, nos levam a outro aspecto central deste livro: a discussão de que a morte não há. Roseno, já morto, é o tio do narrador e não a voz da narrativa, que se faz de memória e, portanto, resgate — palavras substituindo a vida, num ato de reparação. Complexo e “inesgotável”, em suas miríades de trilhas e viagens, Meu Tio Roseno, a cavalo confirma Wilson Bueno como um dos maiores prosadores brasileiros da atualidade, ao lado de, entre poucos, por exemplo, Milton Hatoum.

Régis Bonvicino, julho de 2000


Copyright © Régis Bonvicino




Topo
 
  Desenvolvido por CódigoTecnologia.com